©2018 by Marciah Rommes. Proudly created with Wix.com

Textos

Recorte da Cor

A síntese do pigmento azul da Prússia, obtido pelo processo de cianotipia, ocorre e passa a ser incorporado pela massa polimérica desenvolvida pela artista. Arranjos abstratos – fruto de um imaginário cultural impresso na História da Arte, encontram na simetria do quadrado branco de pequenas dimensões sua correspondência com a iconografia típica de toda azulejaria além-mar. Vocábulos que se desprendem do papel e ganham autonomia volumétrica na construção de uma linguagem que se articula entre o plano e o espaço.  (Lab Clube - 2018)

 

 

"Nos trabalhos de Marciah Rommes formas imprevisíveis surgem a partir de materiais sedimentados por pesquisas artísticas precedentes, que lhe servem de caminho para um método pessoal de estruturação. Aparentemente pastosa essa massa enigmática de um negro sedoso se expressa numa linguagem abstrata com resultado quase geométrico, em que vagueiam significados profundos que brotam de fontes da experiência subjetiva. Unidas por linhas de leitura, unidades nos  convidam a ler diferentes textos, ou a contar. Outra obra, ainda, alude à história da arte e transforma a matéria original em imagem reconhecível. Todas, construções óticas de silêncio."


                                                                                                                                                                Lia do Rio        (Curadora)       

                                                                                                                                             Exposição Matéria Híbrida 2017

 

        "Marciah Rommes é uma artista que utiliza das mais diversas técnicas para expressar suas ideias. Na série nomeada objetivamente como Livros apresenta o universo dos livros na perspectiva do livro fechado, que não se revela, que retém inacessível o conhecimento e que gera a incompletude. Luz enclausurada no silêncio das páginas lacradas e na escuridão imposta a alma sedenta de novas percepções. São Livros de uma memória densa, de um tempo outro, reavivados pelo espectador que é levado a completar a obra ao tentar decifrar no seu imaginário possibilidades de histórias a serem narradas.

         Em os Empilhados encontramos um lugar de memória construído a partir de placas ricas em texturas e de variadas formas. Páginas de um livro qualquer, de uma história desconhecida, da memória consumida pelo tempo. Lâminas sobrepostas criam um novo contexto ao esconder e revelar detalhes de algo que nos instiga a procurar resíduos de histórias registradas nas páginas que compõem os tridimensionais. Construções que parecem aleatórias, como que para provocar o desejo da descoberta. Espaços cuidadosamente pensados para incitar a percepção intensificada pela estranha impenetrabilidade da lógica da obra.
        Nos "Geométricos" a artista nos apresenta uma comunhão entre a matéria e a racionalidade inerente aos geométricos. Figuras enriquecidas com texturas e formas que são de  um outro raciocínio, pois não priorizam ângulos, raios, diagonais, ou seja, não seguem nenhum padrão, espontaneamente invadem o espaço e se apropriam dele como musgos que envolvem pedras e se tornam uno. São formas que permitem a imaginação caminhar por lugares de uma subjetividade tal que muitas vezes nos parecem transmitir um calor humano de uma ausência recente de uma figuração inexistente em uma abstração. São trabalhos tão ricos em detalhes como em subjetividade, tal qual a maioria das obras de arte contemporâneas".
                                                                                                                                                                                                   

                                                                                                                                 Joanice de Souza Vigorito

                                                                                                                     (Doutora em História pela UFRJ)

        "Gravura, colagem, foto, as imagens de Marciah Rommes ressaltadas se tridimensionalizam, lisas, se movem, não se contentam, viram muro, viram mundo. Movem-se por uma extensa zona de transição. Parecem vir de muito longe, aproximam se, chegam-se ou se afastam, agrupam-se, são iguais, porém não as mesmas. Captam a natureza do ser em profundidade. Ponto de vista acurado do senso de presença no tempo e no espaço."
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                            Lia do Rio

                                                                                                                                                  (Artista Plástica e curadora)